sexta-feira, 15 de maio de 2009

Instrumentos Musicais: Pandeiro Árabe

Segundo Vitor Abud Hiar, o pandeiro árabe pode ser considerado o pai do pandeiro moderno ocidental. Alguns estudiosos acreditam que ele seja uma derivação do instrumento bendir - pandeiro beduíno sem címbalos para a composição do ritmo Mesarfe Shabi - assim como é o mazhar. No Líbano o pandeiro árabe é conhecido como daff, e no Egito como Riq (nome mais usado mundialmente). Eu sinceramente me habituei a chamá-lo de daff!

O pandeiro árabe é composto por um corpo de madeira revestida por madrepérolas, revestimento de pele de carneiro ou peixe, e um conjunto de cinco címbalos duplos. Existem alguns pandeiros que utilizam material sintético no revestimento, devido à fragilidade do pandeiro com a umidade do ar, porém seu som não oferece as mesmas variações que um feito de forma original. No Egito todos os riqs são feitos à moda antiga, por isso são considerados os melhores.

Por possuir uma vibração curta, com sons agudos e secos, o daff é chamado de "pandeiro tenor". A sua utilização é um sinônimo de "ostentação", pois é ele que dá corpo e revelação ao ritmo, compondo frases rítmicas não possíveis para um derbake. Vitor Abud Hiar dá dicas de como explorar estas frases no momento mais oportuno:

1 - É necessário conciliar o som agudo dos címbalos com o som seco do revestimento, ou seja, não somente se deve "tirar o som" do daff, mas individualizar e harmonizar os dois sons que se produzem dele.

2 - O daff pode ser utilizado, basicamente, de 3 formas: utilizando todos os címbalos e a membrana de couro; utilizando parte dos címbalos e a membrana de couro; e utilizando apenas a membrana de couro... Parece meio óbvio, mas conforme as coisas complicam a gente percebe o porquê dessa distinção!

3 - O dum, a batida grave do daff, pode ser produzido somente tocando a membrana do instrumento com o indicador ou então no címbalo próximo ao dedo anular juntamente com a membrana.

4 - Para se tocar o címbalo existem 4 formas: tocando-o preso; tocando-o solto; repique trigêmeo; e repique comum. O repique é o balançar mesmo!


5 - Existem dois movimentos básicos para se tocar o daff: o 1º utiliza menor intensidade (os sons tá e ká) e o repique dos címbalos. O 2º também é utilizado para variações de menor intensidade e forma ritmos como o baladi (Dum Dum tá ká Tá Dum tá ká Tá tá ká Dum Dum...)

Assim, o daff é basicamente utilizado dessa forma:

Dum: Dedo indicador no revestimento. No centro, esse dum seria mais seco e com pouca vibração, sendo mais utilizado no ritmo Cifteleli.
Ká: Batida na borda do daff com o dedo médio
Tá: Batida no címbalo com o dedo anular.

Ah sim, dançarinas, não se preocupem em aprender a tocar e a dançar!! O pandeiro árabe é um acessório na dança do ventre, mas não é o mesmo daff de um profissional! Ele, na dança, tem apenas caráter simbólico, sendo mais pesado e com címbalos com menor sonoridade.

Para quem quer aprender a tocar - Eu!!!! - é importante ter cuidados especiais com seu querido instrumento. Nesse caso é importante hidratar com creme o revestimento: cinco gotinhas são suficientes! E também evitar expô-lo ao calor excessivo! No demais, é só ter carinho e dedicação, que ele será de muita serventia!

Aqui embaixo o exemplo de um baladi no daff!

7 comentários:

Hanna Aisha disse...

Eu aprendi que Riq é o pandeiro com os címbalos e daff, o que não tem os címbalos.
Bailarina tem que aprender a tocar um pouco sim! Ele é um acessório, não um enfeite! Aprender os duns e tás e tocar um pouco, assim como os snujs, enriquece MUITO a dança!

Celia Daniele disse...

Bem, os músicos que consultei foram unâmines em dizer que a bailarina não precisa tocar, mas ela precisa - isso até para dançar - saber distinguir os dums, tas e os kas (afinal, eles que diferenciam os ritmos e definem o estilo da dança). Até mesmo nos vídeos que se vê no youtube as bailarinas só tocam em alguns momentos da música - geralmente em uma marcação - batendo com o pandeiro no corpo, mas elas não dançam acompanhando a música, como se faz com o snuj.
Qto a daff e riq, esses termos variam conforme a localidade, isso depende basicamente da nacionalidade de quem te ensinou, ou de quem ensinou seu professor. O que mais vemos no árabe são discordâncias, veja o exemplo do baladi! Em inglês, o nome "riq" é usado para todos os tipos de pandeiro, e no Líbano, se usa o daff para o pandeiro árabe (Riq, ou como eles chamam "Req", também é usado, e de repente é essa diferença que vc exemplificou no seu comentário).

Hanna Aisha disse...

Oi, Celia
não fui clara: oq eu quis dizer com tocar era isso, distinguir os dums, tas e kas e fazer marcações bonitas, e não apenas ficar balançando pra lá e pra cá.
beijos

Celia Daniele disse...

Hehehe, ok! Mas bater com o pandeiro no corpo, não é toooocaaar, né?

Gisele e Christyano disse...

Oi Célia, gostaria de saber onde posso comprar um pandeiro para usar na dança,e que enviem via correio! bjs e muito obrigada!!! Gisele

Wesdras maxmiller disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Dança do Ventre Brasil disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Related Posts with Thumbnails