sábado, 14 de novembro de 2009

Laila e o Louco


Decidi compartilhar com vocês esta linda história de amor: de origem persa, esta história verídica se tornou uma lenda entre os beduínos árabes, Laila & Majnun (Majnun quer dizer louco), na verdade era o caso de amor entre Layla e Qays, dois jovens persas.

Qays, ou melhor, Qays ibn al-Mulawwah ibn Muzahim, era um poeta beduíno. Sua história com Layla começou em uma noite qualquer, quando cavalgava em seu camelo e se deparou com um grupo de belas mulheres que iam a um banquete: dentre elas encontrava-se Layla. Ao vê-la, Qays se apaixonou perdidamente, e essa paixão o tomou de tal forma que posteriormente tirou sua razão. Layla também se apaixonou por Qays, o que motivou a ele pedir sua mão em casamento.

No entanto, o pai de Layla havia prometido a mão da filha a um senhor tribal, Ebn-e Salaam, que só não a havia desposado por considerá-la jovem demais. Com a recusa do pai de Layla, Qays ficou desolado e passou a vagar pelo deserto, abandonando a vida em sociedade. Durante seu exílio forçado, escreveu vários poemas para Layla, citando o nome da amada, os quais ficaram famosos e irritaram profundamente o pai dela. O pai de Qays tentou, em vão, convencer o pai de Layla a conceder o casamento, pois ele estava muito preocupado com o filho, mas o homem foi irredutível, uma vez que a honra de sua filha havia sido manchada.

Ebn-e Salaam não desistiu de Layla, e acabou se casando com ela, mas eles não foram felizes. O pai de Qays, desesperado com a situação do filho, que após o casamento da amada, perdeu completamente a razão, morre de desgosto. Ao saber disso, Layla, mesmo casada, foi ao encontro de Qays para fazê-lo retomar a consciência, mas ele não a reconheceu, atitude que deixou seu marido transtornado. Layla não se importava com seu nome, nem com sua condição social, apenas com seu amado. O seu marido tentou de todas as maneiras conquistar a esposa, mas ela a cada dia parecia amar mais o poeta louco, e ele percebe que jamais terá o seu amor; mesmo casada e com a loucura de Qays, a jovem não abandonara a esperança de ficar ele. Ebn percebe que este amor é grande demais para ser destruído, pois nada parece fazê-los perceber que sua história é impossível de ser concretizada, e assim acaba adoecendo e morre logo em seguida.

Segundo as tradições tribais, quando Layla se torna viúva, precisava esperar dois anos sem ter contato com nenhuma pessoa, em sinal de luto pelo marido. Entretanto esta situação é muito angustiante para Layla, que não sabe como está seu amado e se poderá ficar com ele de fato. O tempo passa e Layla não suporta, e também morre antes de realizar seu desejo.

Qays, já conhecido como Majnun, em um momento de lucidez, toma conhecimento da morte de Layla, e se desespera. Ele vai até o túmulo de uma mulher, que julga ser o de Layla, e fica lá chorando copiosamente, sem comer, sem beber, até finalmente morrer. Nas pedras ao redor do túmulo, ele escreveu ainda versos para sua amada, e enquanto não enfraqueceu completamente, repetiu o seu nome incessantemente. Com um amor tão intenso, que não conheceu barreiras, a história ganhou repercussão por todo o mundo árabe, e Qays ficou conhecido como o "louco por Layla" (Layla Majnun).

Essa triste história de amor só chegou até nós através do filósofo árabe Nezami, livro o qual já está traduzido para português no Brasil. Há diversos filmes e seriados sobre esta história de amor, e eu espero ansiosamente que cheguem ao Brasil! Em homenagem à história de amor destes jovens, Eric Clapton escreveu a música Layla, que pode ser conferida abaixo com a letra em português:



E alguns versos de Majnun para conhecermos a dimensão de seu amor:

"Eu caminho por esses muros, os muros de Layla

E eu beijo este muro e aquele,

Não é o amor pelas casas que tomou meu coração

Mas o amor daquela que nelas habita"

5 comentários:

犬神イッキ小 disse...

sei que não tem muito a ver, mas conheci esse nome e o "significado" dele pela musica do Eric Clapton por causa de uma personagem de uma mangá, ela se chama Reira(Layla) Serizawa, ela tem uma estória meio depre no mangá talvez seja pra combinar com esse conto... Como o Mangá não acabou de lançar ainda vou ficar vedo se tem mais algo a ver com a história, bom saber que a personagem é mais profunda do que eu pensava..., Ha o Mangá se chama NANA, bem popular no Brasil...

Celia Daniele disse...

Olá olá! Nossa que legal, então a história de Layla & Majnun tem mesmo bastante repercussão, até pelo mundo nipônico! Pesquisei sobre o que você me disse e achei este fórum: http://plue89.deviantart.com/art/Shin-Majnun-116160092, onde exatamente há a associação de um poema de Qays com o mangá. Segundo outro fórum (http://community.livejournal.com/blackstones/746627.html), a partir do mangá 84 a história se relacionará bastante com o conto...
Legal, legal, gostei mesmo! XD

Laiane Cahves disse...

Naum, Naum.... a musica Layla, o Eric Clapton fez p a mulher de um amigo dele por quem ele se apaixonou e o fes sofrer bastante, pois ela era esposa do seu melhor amigo.

Celia Daniele disse...

Laiane, tem essa parte da história também, vc pode conferir aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/Layla


bjos

Celia Daniele disse...

Aqui tb fala sobre isso:

In 1969, Clapton fell in love with Pattie Boyd, the wife of one of his best friends, Beatles' George Harrison. At about the same time, one of Clapton's friends gave him a copy of "The Story of Layla and Majnun" as written by Azerbaijani poet Nizami. The book moved Clapton profoundly as it was the tale of a young man who fell hopelessly in love with a beautiful, unavailable woman and who went crazy because he couldn't marry her. Clapton saw the correlation with his own life.

fonte: http://azer.com/aiweb/categories/magazine/63_folder/63_articles/63_clapton.html

Related Posts with Thumbnails