segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Movimentos de Marcação: Shimmie


Sim, ele é o terror da maioria das dançarinas! O shimmie é aquele tremido que se faz ao ouvir percussões dedilhadas, ou instrumentos de corda dedilhados (qanoun, alaúde, violino), e em alguns casos até ao som de uma flauta floreada. O movimento transmite uma profunda conexão da dançarina com a melodia, é como se o som reverberasse pelo corpo dela, como se ela estivesse em total imersão na música. Agora, como sair o bendito tão belo e perfeito?

Eu vou dar um exemplo ruim aqui, mas como é meu mesmo, o problema é meu!huahuahua. Aqui abaixo eu pega de supresa numa festinha no meu curso de árabe (notem que não fui preparada, levei o lenço de quadril pra mostrar pra uma guria e que tava de calça jeans!):


A minha cara de "oh, não, é um shimmie maldito", não é falsa. Não fiz escola com a Dina, foi sofrimento verdadeiro. Meu joelho travou e eu desesperada para sair o shimmie, chegava a dar uns trancos.

Ok, o que aprendemos com isso?

Primeiro: não faça shimmie de calça jeans! :p.
Segundo: um corpo relaxado é uma benção para o shimmie fluir, logo sinta a música, relaxe os músculos, quanto mais tensa, mais difícil será tremer (a não ser que suas pernas já estejam bambas, aí você pode aproveitar o embalo - eu já fui agraciada com isso).

O shimmie varia não só em intensidade, mas também em tipos, definindo-os abaixo:

Shimmie de vibração: é o mais comum! Simplesmente alterne os joelhos, como se estivesse impaciente no nível máximo. Alterne os joelhos com pouco espaço entre eles, lembrando de estar relaxada para o shimmie sair mais fluído e não movimentar a parte superior do tronco. Uma dica preciosa que minha primeira professora deu, mas eu não faço muito porque precisa de tempo e memória (lembrar de fazer todo dia), para soltar as pernas num shimmie de vibração é: deitar de barriga pra cima no chão, colocar uma perna apoiada no chão, a outra esticada para o ar, a qual você deve tremer; alterne as pernas nesse movimento até sentir que o tremido está saindo com mais facilidade em cada perna. Por fim estique as duas pernas com as costas apoiadas no chão e balance-as alternadamente. Para não ter dúvidas se está certo ou não: vai parecer que você está estrebuchando no chão!

Shimmie de tensão: esse é perigoso se fizer com muita frequência, pois pode causar lesões na parte interior do músculo da coxa. Basicamente é contrair esse músculo continuamente, dando a impressão de uma onda leve e contínua subir por seu quadril. A velocidade do ritmo da contração e a força que você coloca nela é que farão o shimmie mais visível e contínuo. Algumas pessoas também contraem os glúteos, mas numa saia justa isso pode ficar estranho.

Shimmie preso: o quadril fica paradinho, você terá a impressão que a vibração irá se concentrar nele, como se as ondas subissem dos joelhos ao quadril. A vibração do shimmie para no quadril, é nele que o tremido se sobressai, no conjunto é como se suas pernas e seu quadril fossem uma folha de papel ao vento (poético, não?). O shimmie preso é característico do shimmie de tensão, mas também pode ser feito com shimmie de vibração. As pernas ficam juntas, a alternância entre os joelhos é mínima.

Shimmie solto: esse é feito com o shimmie de vibração, além de alternar as pernas, se deverá liberar a tensão do quadril para que eles balancem de um lado para o outro durante o shimmie. As pernas não precisam ficar juntas! É importante lembrar, que no shimmie solto, o tremido tem como apoio o pé (onde você pisar), como se ele neutralizasse a vibração. É como se as pernas somente impulsionassem o quadril, mas é ele que comanda a velocidade e a intensidade do shimmie, as "ondas" vão de cima para baixo.

O shimmie pode ser combinado a qualquer movimento ondulatório, deslocamento e até outro movimento de marcação, como o básico egípcio. Para encaixá-lo basta somente tremer a perna que estiver apoiada no chão. O shimmie aparece justamente para marcar trechos da música que representam um momento de interiorização, de percepção, de uma fala íntima, seja algo alegre ou algo melodramático. O shimmie transmite o segredo da música, a alegria, a paixão, o encantamento, a consternação. Para mim, se houvesse uma declamação durante uma música, o shimmie seria a poesia.

Vamos nos inspirar?

4 comentários:

ةشامهنش - Mahlika el Hana disse...

Acho que a dica fundamental já foi dada por você: relaxar!
Eu sempre dizia: relaxa e imagine que seu bumbum vai tremer igual gelatina, kkkkk.

Júlia L. disse...

Célia, você reclamou do seu shimmie, tudo bem que ele até podia estar travado, mas tá de parabéns pela sua dança , delicada, calma , suave e marcada quando precisa, eu sou mera iniciante na dança do ventre , estudo a pouco mais de um ano, mas dá pra perceber que você tem muita musicalidade e rítimo, parabéns pelo post. Beijos, Júlia L.

Melissa Souza disse...

Quando minha primeira professora me passou o shimmie eu adorei! Usava ele em todas minha coreografias!
Viciei tanto que hoje eu uso sem nem perceber, rsrs

Kaliana K disse...

Meu sonho conseguir dançar Baladi Sangaran até o fim sem ser atacada pelo shimmie maldito! kkk!Tô treinando tooodo dia,rsrs! Obrigada pelas dicas!

Related Posts with Thumbnails