terça-feira, 20 de setembro de 2011

Crianças na Dança do Ventre

Alguns não vêem problema nenhum, outros fazem algumas ressalvas e outros abominam. Os comentários que vou tecer aqui são apenas partes da minha humilde opinião. A idéia do post surgiu depois de assistir algumas apresentações bem executadas por crianças, que por vezes chegam a superar muita bailarina por aí (guardadas as devidas proporções!).

Vejamos as dancinhas das fofoletes:


Little Samia Gamal é ótimo!!!

Mas observe que a pequenininha executa alguns passos com certa precisão que considero de nível intermediário já pro avançado, faz uma ótima dissociação do corpo, tem uma postura e posicionamento de braços interessante, difícil de ver nas crianças. Não deu pra rastrear, mas tudo indica que a menina é do Oriente Médio.


Com um nome desse preciso dizer de onde ela vem? Ela força umas caras, né... Mas não disse que ia trazer a perfeição. Contudo, não dá para negar a habilidade técnica desta garotinha.

O Youtube possui mil vídeos disponíveis de crianças dançando, mas o que diferencia essas duas de tantas outras é uma certa precisão, graciosidade e leveza ao conduzir a dança. É uma coisa muito engraçadinha ver criança dançando, não é verdade? Isso acontece porque, em geral, elas são coisinhas desengonçadas, sem consciência formal do que estão fazendo, do significado de uma dança, ou mesmo da música que estão dançando. Aí, é raro ver críticas. O negócio muda de figura quando elas começam a dançar bem. Sim, as críticas aparecem em outros vídeos no quais temos crianças dançando "mal" (ou como crianças, sem direcionamento, só na espontaneidade), por causa principalmente da exposição. Mas sinto que a crítica é mais contundente quando elas dançam bem, ainda que em ambos os vídeos haja críticas quanto à exposição e o direcionamento da dança do ventre a uma criança.

Para a pouca receptividade quando a dança é bem executada por uma criança há diversas respostas: "A criança não está aproveitando a infância e se focando no aprendizado de uma técnica". Mas ela está fazendo o mesmo na escola com a matemática, o inglês... A diferença é o que você valoriza. O corpo é uma ferramenta altamente repreendida em nossa sociedade, e isso traz consequências para essa mesma sociedade. Essa repressão é fruto de um processo histórico e, no fim, ao ignorarmos as potencialidades do corpo perdemos muito no que diz respeito ao conhecimento do mundo sim, e também de convivência social, aceitação do prazer/bem-estar individual, etc. A dança tem valor terapêutico e disciplinar, não consigo enxergar problema na dança em si. Outra resposta comum: "A dança é sensual e não deve ser praticada por crianças, pois pode acelerar um desenvolvimento sexual não adequado a sua idade". Não sei não hein, ainda mais se focarmos no Brasil e o funk, axé e até mesmo o samba dando sopa por aí. Tenho, inclusive, minhas dúvidas quanto a isso em outras danças não-brasileiras, como balé, jazz, enfim, mais prestigiadas pelos pais. Acho que quando sua querida filha entrar em contato com essas expressões culturais, não custa nada você, pai ou mãe, acompanhar esse contato, assim como com certeza você faz para qualquer outra coisa nesta jornada de descobrimento do mundo de toda criança. E cá entre nós, nossas músicas estão em português compreensível, enquanto que a música árabe está longe disso - boa parte das bailarinas dançam somente o que sentem com a melodia da música - sem falar que boa parte do conteúdo dessas músicas é bem poético. Essa associação de sensualidade com a dança árabe nós sabemos de onde vem, não é mesmo? Novamente o problema não está na dança.

Tentando finalizar esse assunto que dá pano pra manga: as crianças são pequenos seres humanos suscetíveis aos mesmos desejos que os adultos, só que sem a carga de maturidade que vamos recebendo ao longo de nossas experiências, logo é um público delicado e que absorve informações de forma rápida.

Example

Acreidito que o problema está no direcionamento que dão para a dança. Escolher a dança para as crianças exige técnica diferenciada e um acompanhamento dos pais (sim, ter filhos é coisa SÉRIA, dá trabalho, acho que essa todo mundo devia saber, né?). Assim como o inglês e a matemática estão presentes na vida de uma criança com um direcionamento específico para a idade delas e um acompanhamento dos pais, a dança, a arte, o exercício físico devem merecer a mesma atenção. Se é um desejo da criança, porque não? Até porque, quando fazemos as coisas com prazer tudo sai melhor, fala a verdade aí. Talvez aquelas duas meninas alcançaram um certo nível de "excelência" por causa do prazer que aquela atividade, dançar, lhes proporciona. Existe o outro lado da moeda? Existe: elas podem ser "vítimas" de mães "frustradas" que refletem em suas crias seus desejos e vontades, entre outras possibilidades negativas. Mas não temos como saber se é o caso daquelas pequerruchas. Outra possível resposta está ligada aos passos ensinados que em tese não correspondem com a idade delas. Nesse caso, não posso falar muita coisa, pois envolve profissionais da área da psicologia do desenvolvimento, fisioterapeutas, educadores físicos. Só penso, como historiadora, que esse apego às verdades científicas podem ser contemplados com parcimônia, pois cada ser humano é diferente e nem sempre se encaixam nos padrões estabelecidos pelas ciências, o que não significa também ignorar as contribuições dos estudos especializados.


Diante dos vídeos, fiquei feliz e admirada por esses pequenos seres e senti uma motivação a mais para me dedicar com mais afinco à dança.

13 comentários:

Celia Daniele disse...

Caraca, essa guria de azul humilhou com tachinhas!

QUANDO EU CRESCER QUERO SER IGUAL A ELA!!! :D :D :D

Lívia disse...

Pois é! A intenção do post era só mostrar essa galerinha que manda ver acabando com a gente rs

Aí fiz todo um discurso =P

Marcia Valeria disse...

Fala serio viu...
essas meninas não nasceram... ESTREARAM!!!!

Penso q toda forma de arte quando dirigida a crianças deve ser da forma mais pura... pois fica muito facil cair na vulgaridade, ainda mais se tratando de danças sensuais

Fiquei humilhada agora...
Mas feliz por tanto profissionalismo mirim!!

Rubi disse...

AAAAhhhhhhhh essas meninas acabaram comigo buaaaaaaaaaaa.
Mas voltando ao assunto, se eu tivesse uma filha o meu problema não seria nada disso que vc falou.
O meu medo e da competividade que existe na DV , não sei se as outras danças são assim ,mas a dança do ventre me da medo,não sei explicar, sabe?!
É um estrelismo, uma competição, se vc não dança bem é esculhambada, vou repetir não sei explicar direito, mas eu me perguntaria "O ambiente DV é saudável para uma criança?"
Sei lá sabe, eu tenho medo que o mundo da dança do ventre infantil seja igual ao concurso de miss mirim, cheio de mães loucas querendo que as filhas sejam o que elas não foram e digo no mundo da DV mirim tem muitas dessas mães pq eu já ouvi professoras falarem sobre essas elas.

Rubi disse...

voltando Lívia.
Nossa essa menina de azul é um fenômeno.

Anônimo disse...

Acxho muito RIDÍCULO alguém criticar por deixar uma criança fazer dança do ventre por ser sensual, quando TODO SÁBADO vejo montes de menininhas de 4 a 9 anos em Festas de Casamento REBOLANDO ATÉ O CHÃO com funks, axés e pagodes.
Aí eu me pergunto "onde estão os pais dessas crianças?"

Bem, muitas vezes AS MÃES, estão DO LADO REBOLANDO JUNTO ATÉ O CHÃO!!!

E me diz: que VALOR CULTURAL é agregado em uma 'letra' que só diz "vem cá minha chuchuquinha, faz assim, faz assado"???

Essas sim "podem acelerar um desenvolvimento sexual não adequado a sua idade"

Já a DV é ARTE e CULTURA de Primeira!!!
Se eu tivesse uma filha, incentivaria a DV e proibiria de ouvir Funk.

Lívia disse...

Pois é Rubi...não pensei nessa questão exatamente por pensar que isso é uma possibilidade em qualquer dança. Quando eu era criança fiz balé e jazz e essa coisa de uma "esculhambar" a outra foi o que me afastou da duas danças..
No balé principalmente...

Lívia disse...

Eu acho a DV mais receptiva aos diversos tipos de corpos, estilos de dança, enfim...
Pode ser que exista a competitividade e essa menininha de azul parece que veio de um concurso de miss mirim que realmente é um pouco assustador. Não quis defender isso rs só mostrar mesmo...e trazer uma outra possibilidade já que se ver os vídeos relacionados nenhuma menininha dança que nem ela..de repente ela é boa porqu gosta né? e se esforça mais! Vai saber...

Mas sobre isso de competitividade não custa nada os pais acompanharem, observarem as aulas, conversar com a sua filha. Uma coisa que quis reclamar nesse post tbm é algo que vejo todo dia...os pais não sabem o que é ser Pai e Mãe! Como eu disse não é fácil, dá trabalho..

Melissa Souza disse...

Na minha opinião, as crianças tem os corpos tão molinhos que fica mais fácil para elas aprenderem a dançar e tal.
No meu grupo, temos duas baixinhas, uma de seis e outra de oito anos. Elas tem um pouco de dificuldade para pegar o ritmo e decorar a sequência dos passos, mas executam cada movimento satisfatoriamente!

Kaliana K disse...

Nossa, concordei com TUDO que vocÊ falou!E a segunda dançarina é russa, não é? Tô cada vez mais encantada com elas... XD

Kaliana K disse...

Ah! E conheceu a brasilerinha Gabrielle Huang! Ela é MUITO boa mesmo!Um fofa!

Hanna Aisha disse...

Tenho um post antigo sobre isso: http://hannaaisha.blogspot.com/search/label/crian%C3%A7a

Sou super a favor e amo ver! Esse ano fui jurada novamente da categoria infantil no V Festival Hórus e é sempre uma graça; mas mesmo assim, é possível dar notas e indicar pontos fortes e fracos.

Laísa disse...

Ah, eu adoro ver crianças dançando. Acho a coisa mais linda!! (claro que depende da dança, mas DV, dança de salão e ballet, amo!) Também quero ser como a garotinha de azul quando crescer, e olha, acho que vc fechou com chave de ouro com essa menina do poker face. AMEI. (apesar de eu não gostar da Lady Gaga, mesmo)

Related Posts with Thumbnails