domingo, 21 de novembro de 2010

A Imagem da Dança do Ventre

O que poderia nos fazer mais felizes como representantes da dança do ventre? Para mim foi conquistar o coração de uma pessoa para a dança com o argumento da arte, e não da sedução, da boa forma, do "esquisoterismo". A imagem que se vende da dança do ventre é na maioria das vezes a mais rasa possível, e em outras tantas vezes é aquela que mais a desprestigia do que prestigia. A comprovação disso vem pelas opiniões que se manifestam a respeito dela mesma.

Já aconteceu com muitas bailarinas - para não dizer com todas - é só dizermos que fazemos dança do ventre para vários olhares maledicentes apontarem para nós! Eu tenho a convicção que a grande maioria das pessoas não tem a menor ideia do que é a dança do ventre, como ela se insere na cultura árabe-muçulmana e mais ainda: como hoje ela é uma arte, possuindo regras e interesses como um estilo de dança qualquer. Ainda assim é difícil encontrar quem saiba disso, assim listei abaixo o que mais ouço desse tipo de pessoa.
Ranking dos comentários mais frequentes que me fizeram sobre a dança do ventre:
1) Você já dançou para seu marido/namorado?
2) Hummm, você faz aquele negócio com a barriga?
3) O que seu marido/namorado acha disso?
4) Ah, dança do ventre, eu já vi na televisão algo sobre o pompoarismo... (???)
5) Dança do ventre é coisa do diabo!!
6) Você não tem vergonha de ficar se insinuando na dança pras pessoas?
7) Dança do ventre dá barriga...
8) Liberte a deusa-mãe que existe dentro de você...
9) Show de dança do ventre? Uhhhhh... (olhares maliciosos ¬¬)
10) É ruim que eu deixaria minha mulher fazer isso!!

Dá pra ver pela maioria dos comentários, que as pessoas colocam a dança do ventre no mesmo patamar que o strip-tease: a dança é uma atividade esvaziada de sentido, tendo por finalidade somente o entretenimento masculino!! E sinceramente? Eu vejo várias dançarinas do ventre usando e abusando desse estereótipo para se promover! Como defender a dança do ventre como arte se aparecem aos montes esse povo que se vende como carne no açougue?

A última agora foi uma tal professora de dança do ventre discriminada que vai posar nua. Detalhe que a discriminação não partiu de nenhuma relação com a dança do ventre, mas pela "beleza" da mulher, só que aparecendo os flashes em sua porta, ela prontamente escancarou que é professora de dança do ventre para apimentar sua imagem de sex symbol, explorando obviamente a sensualidade do imaginário das odaliscas.

A dança do ventre tem uma relação com a sensualidade, mas isso não é o seu ponto principal. Hoje o que chamamos de dança do ventre agrega diversas modalidades folclóricas árabes-islâmicas e respondem muito mais à cultura do que a uma forma de expressão da sexualidade. Até o povo que diaboliza a dança do ventre não pára para pensar que quando Jesus transformou a água em vinho, deviam haver diversas proto-dançarinas do ventre animando a festa!

Essa semana eu comecei a explicar a uma amiga historiadora, que odiava a dança do ventre, o que realmente era essa arte. Para exemplificar, coloquei a música clássica Traccia para ela ouvir e fui explicando com uma meia-dúzia de passos o que significava cada momento da música, os intrumentos, o que a dançarina deveria fazer; expliquei alguns tipos de folclores, e só. Claro, essa amiga é uma pessoa inteligente, não adianta jogar pérolas aos porcos, ela prestou atenção no que eu tinha a dizer, e impressionante: ela foi buscar vídeos e informações sobre a dança do ventre de verdade, não dessas mulheres que se promovem mais com seu corpo do que com técnica. Resultado: ela mudou de opinião, agora ela admira a dança do ventre como arte, e ela ainda me deixou um depoimento incrível expressando essa mudança!! Isso me deixou imensamente feliz, me deu mais esperanças que um trabalho formiguinha pode corrigir muitos preconceitos que a dança tem por aí.

Assim fica de inspiração para a técnica da dança do ventre a dançarina Suellem dançando também Traccia. Como eu disse à minha amiga: a função da dançarina do ventre é transpor a música de forma tridimensional, é traduzir a melodia, os instrumentos com seu corpo! Vamos pensar nisso também!

19 comentários:

Claudia Halley disse...

Adorei o post!

Lívia Carine disse...

Qu bom que ficou feliz Célia! O mérito foi seu mesmo...
Realmente foi de forma simples e com poucos passos q eu me encantei...pra vc ver como essa arte realmente é muito bonita e não precisava daqueles coisas escalafobeticas rs q eu via antes pra uma pessoa se encantar com ela.

Basta só dança do ventre de verdade pras pessoas gostarem dela.

Beijos

Lívia Carine disse...

Ah e o video é lindo...qnd eu começar a dançar..a primeira dança q eu fizer vai ser com essa música rs em sua homenagem rsrs

A outra q eu estou apaixonada é enta omri! =PP

Emeline disse...

Também adorei o post!

Marcelly disse...

Uau arrasou no post, parabéns !
Pois é, as pessoas pensam tantos absurdos a respeito da dança do ventre, coisas q ás vezes com uma simples pesquisa ela saberia a verdade, rs !
O q mais me irrita é ver as mulheres procurando aulas de DV só para agradar ao marido/namorado, e depois de umas aulinhas, ela nunca mais volta, aff, ninguém mereçe, rs !
Bjks !

www.darahhamad.com.br disse...

Ninguém merece ouvir tantos questionamentos absurdos,concordo com a MARCELLY quando se refere as mulheres que procuram a dança do ventre só pra agradar aos maridos e namorados,esquecendo de que em primeiro lugar elas tem que pensar em agradar a si mesmo e ter o amor proprio..

Aíne Aymelek أين أملك disse...

Mabruk Linda, pelo post...
As vezes nos chateamos por ouvir comentários como estes e também por conviver com algumas colegas que vulgarizam esta arte encantadora ...
Mas, a verdadeira essência nunca morre , assim como a flor de lótus que ultrapassa a lama fédida e se abre para o mundo, assim é a essência desta arte, que supera todos os traumas e renasce no coração das mulheres que a seguem de corpo e alma..

Salam e adoro seus postagens..
bauces

Meh disse...

Concordo!
Faço Dança do Ventre a pouco tempo, mas já estou tendo que encarar este tipo de preconceito. Principalmente das outras MULHERES, que quando eu digo que danço elas fazem uma cara tão feia!!!!!!!! E meus amigos vivem caçoando de mim :(

Laísa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laísa disse...

Eu faço dança do ventre há pouco mais de um ano, nunca sofri preconceitos propriamente ditos, mas algumas pessoas, principalmente homens, consigo perceber que tem uma ideia completamente errada sobre a dança do ventre (comparada à minha ideia) sempre tem aquele típico "dança pra mim?" ¬¬ com segundas intenções perceptíveis. Isso me irrita, mas entendo que isso se deve à falta de informação e conhecimento sobre a dança, daí tento explicar... é DANÇA, é ARTE, é CULTURA e muito mais que isso, que definitivamente não dançaria pra eles, porque simplesmente estariam assistindo sem entender a realidade disso. Incrível, quem não conhece e não procura conhecer, cria ideias absurdas. E concordo com você sobre as 'bailarinas' aos montes por aí que constroem e dão sentido a essas opiniões, e nós todas pagamos o pato! ...
Adoro seu blog e postagens! Parabéns, Beijos

Hanna Aisha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hanna Aisha disse...

Particularmente, não vejo problema em alguma mulehr procurar a DV para entreter o marido. Por que não? A responsabilidade é da profissional que for orientá-la, explicando que a dança é mais que isso e que ela poderia experimentar sob outro olhar.

PS: quem é a bailarina que vai posar nua?

Lívia disse...

http://noticias.r7.com/record-noticias/noticias/professora-que-saiu-de-escola-por-vestir-roupas-sensuais-pode-posar-nua-20101120.html
É essa mulher aqui?

Estela Cauri Torres disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Estela Cauri Torres disse...

Oi, sou jornalista e acompanhei o caso da professora de Química que se sentiu discriminada com os comentários da direção da escola sobre suas roupas coladas ao corpo. Quando ela falou na entrevista que era dançarina do ventre, o foco das reportagens passou a ser este. Deprimente. Os jornalistas ligaram o gosto por roupas coladas e decotadas à dança do ventre. Sou dançarina também, e fiquei bastante chateada com alguns colegas jornalistas.

Anônimo disse...

Opnião de um homem.

Uma certa vez em uma festa de aniversário, fui com minha família, e para minha surpresa ia ser feita uma apresentação de dança do ventre pela aniversariante, ao cumprimentá-la, notei que ela tinha emagrecido e praticamente retardado o seu processo de envelhecimento, como pratico atividades físicas desde os 18 anos, elogiei a atitude da aniversariante, pelo fato de mesmo com 5o anos se conservar com jovialidade, minha esposa interpretou isso como um desrespeito, mas, sinceramente não vi por não ter malícia nesse sentido e por entender que era um ambiente familiar. Bem voltando ao ponto, começou a apresentação, eu particularmente não entendo patavinas de nada de cultura islâmica, mas assisti a apresentação e achei realmente fantástico a forma como equilibram um sabre sobre a cabeça enquanto dançam. Bem para aminha surpresa, os maridos, que acompanhavam as suas esposas, não tiveram o mesmo comportamento respeitoso de espectador de uma apresentação artística, tomando atitudes no meu ponto de vista indiretamente inapropriadas e em minha opnião masculina, digna de no mínimo uma fratura no nariz, mas enfim, deixando a testosterona de lado, o que me deixou mais constrangido, foi o fato de depois o negócio tomar uma proporção que não era esperada, pois começaram a aparecer umas meninas "vestidas para matar", que começaram com outras "performances" no palco, que sinceramente acho que fizeram a coisa mudar de rumo de tal forma que deixou de ser vista como apresentação.
O que quero dizer com isso, primeiro, a exploração sexual é um câncer hoje e sempre vai existir porque é moda, se eu danço e sou sarado, sou michê, se é mulher, é dançarina de boate, infelizmente, somos vendidos dessa forma, segundo, não deixaria minha esposa passar por uma situação vexatória como essa, apresentação artística é para quem aprecia arte, portanto seria em um apresentação cultural, e não em uma festa cheia de marmanjos asqueirosos e de mulheres submissas, que não dão respeito a própria família e aos filhos, nem na presença de outros parentes. Homem é uma criatura sórdida e nojenta mulheres, com certeza ele vai olhar e vai ficar com vontade de pegar simplesmente pelo fato de achar normal pensar assim, porque os outros pensariam a mesma coisa se fosse a dele que estivesse lá na frente. Concluindo, é algo muito bonito de se ver, só que é tão bonito que não deve ser levado aos olhos de gente promíscua e baixa e sim a pessoas de um nível cultural elevado. Ou seja, apresentem-se para pessoas que mereçam, pois essas pessoas que levam a sementinha boa, apresentem-se a pessoas melhores. Cultura não é para qualquer um. Não se enganem.

Parabéns pela iniciativa e boa sorte

driele disse...

Olhares maldosos?!? É pq vocês não fizeram aula de pole dance, que é uma coisa super legal interessante, que trabalha força e resistência, que tem competição inclusive, mas que as pessoas não conhecem e só vêem como coisa de prostituta!!! Aff!

Adriana Atefah disse...

Eu nasci em seio de família com origem árabe-cigana. Eu danço desde muito nova( 9 anos) pois comecei acompanhada das minhas primas mais velhas que já eram dançarinas ( porém não eram do mundo da profissionalização de tudo que é arte cultural por questões mais particulares quanto a família). Eu nunca busquei profissionalização, porque meus pais temiam a distorção da minha imagem por parte dos outros. Vamos concordar que, quando escrevemos um texto, nós somos responsáveis por nossas palavras, mas não pela leitura dos outros. Então exatamente por isso, meus pais entravaram eu buscar ser profissional. Eu sou muçulmana, minha mãe também, e sempre dancei somente entre minha família e não uso roupas que mostram o corpo nem para minha família ou meu marido (hoje sou casada com muçulmano também)justamente para evitar banalização. Aliás, as roupas tradicionais de dança do ventre não são roupas que expõe o corpo, por ela ter sido desenvolvida em seio de uma sociedade que era islamizada há séculos e também, mesmo os registros anteriores à islamização do Hijaz, as roupas não eram nuas. Pois os árabes temiam o estímulo à prostituição ou que as mulheres de sua família fossem confundidas com prostitutas por dançarem. O tradicional era dançar com abayas,isso no Hijaz, em outros lugares se usavam vestidos de diferentes estilos, mas nada como se tem hoje em dia.
Voltando o foco do assunto, não tenho uma visão distorcida das mulheres que dançam com os trajes convencionais mais usados de uns tempos para cá, mas eu tenho certeza que isso ajuda a engessar a visão da dança somente para o deleite do homem.

Eu estou dando aulas de dança do ventre, por desejar que as pessoas de onde moro, tenham uma proximidade com o mundo cultural árabe-islâmico e desfaçam preconceitos.Por ex; Eu não sou maltratada pelo meu marido ou pai, não sou triste, não sou submissa, não sou prisioneira do meu marido e não sou ignorante por ser mulher muçulmana etc etc...

Eu não ofereço profissionalização,apesar de ter aprendido muitos ritmos,aprendido a técnica e tal... pois meu intuito com a dança é transformar a visão que as mulheres tem de si mesmas a respeito da sexualidade, e é o que a dança oferece de essencial. Eu só gostaria que as mulheres deixassem de ter um pensamento submisso ( tudo que faz é em prol de homem menos delas mesmas como seres femininos e detentoras do sutil -latif e belo).Acho que vocês podem me compreender...

Com as aulas de dança aqui, eu quero transformar percepções para que elas façam um bem a elas mesmas e se valorizem mais.
Eu dou apoio a todas as moças amantes dessa arte e que não a vulgarizam e nem exploram esteriótipos.

E realmente, eu me recuso a mostrar a nossa arte para os olhos que não aguçados para compreendê-la ou admirá-la como deve ser.

Anônimo disse...

Eu fazia dança do ventre e penso em voltar. É verdade, uma das perguntas que mais me faziam era se eu fazia dança do ventre para agradar o namorado... até parece! Outra coisa que me diziam sempre, logico que as pessoas que não sabem de nada, diziam que para se fazer dança do ventre, tem que ter barriga, pra fazer aquele movimento :P
Francamente... Eu via a dança na época como um refugio, queria sair da rotina, queria algo novo em minha vida, pena que a minha ex professora arrancou todo o meu dinheiro, fui vitima de estelionato! Longa história!

Related Posts with Thumbnails